Avaliação heurística

4
Jul 8th, 2011
-like-fb

Visão geral

O termo “avaliação heurística” em interação humano-computador foi introduzido no início da década de 1990, quando foi proposto por Jakob Nielsen e Rolph Molich no inicio da décasa de 1990 e é um método por meio do qual um pequeno grupo de avaliadores examina um website e procura por problemas, tomando como base alguns princípios do bom projeto de interface.

Por ser uma ferramenta geral, a avaliação heurística pode ser aplicada em qualquer estágio do desenvolvimento do projeto, desde a prototipagem, como método formativo, até mesmo após a implementação, como método somativo.

Os dez princípios heurísticos de usabilidade são:

  1. Visibilidade do estado do sistema – Segundo este princípio, o sistema deve sempre manter o usuário informado sobre o que está acontecendo, através de uma resposta apropriada, em período de tempo razoável.
  2. Equivalência entre o sistema e o mundo real – Neste caso, o sistema deve falar a linguagem do usuário, utilizando-se palavras, frases e conceitos que lhes sejam familiares. É importante, sempre que possível, manter a execução de determinadas tarefas na mesma ordem em que acontecem no dia a dia.
  3. Controle do usuário e liberdade – As decisões de navegação e de interação devem, segundo este princípio, ser tomadas pelo usuário. Por exemplo, em um website de casa noturna pode haver um player com as lista de musicas do DJ residente. Uma decisão a ser tomada é: o player será acionado automaticamente, ou é melhor que o usuário o ponha para tocar?
  4. Consistência e padrões – De acordo com este princípio, um website consistente deve passar uma imagem de unidade. Sendo assim, é preciso manter menus e objetos de interação na mesma posição em todas as telas para facilitar o uso, e, da mesma maneira, aplicar cores e tipografia consistentemente para aumentar a capacidade de reconhecimento de objetos em uma tela.
  5. Prevenção de erro – Neste princípio, o projetista deve apresentar breves textos de instrução, com o objetivo de prevenir erros em formulários, por exemplo. A boa orientação do usuário é o primeiro passo para prevenir a ocorrência de erros, no decorrer do uso do web.
  6. Reconhecer ao invés de relembrar – Informações de uso do sistema, de acordo com este princípio, devem estar sempre visíveis, ou devem ser fáceis de serem encontradas. Isso ajuda a reduzir a carga na memória de curta duração, e torna a navegação mais fluida.
  7. Flexibilidade e eficiência de uso – Segundo este princípio, os recursos disponíveis devem ser adequados a diferentes perfis de usuários, desde o novato até o mais experiente. Cada pessoa tem objetivos diferentes e um mesmo website pode ser capaz de atender a ambos. Por exemplo, uma livraria online serve para comprar livros,mas também pode servir como uma fonte de referências bibliográficas.
  8. Estética e design minimalista – Para não distrair o usuário deve-se, segundo este princípio, evitar a apresentação de informações irrelevantes à tarefa. Um bom exemplo são as telas de pagamento em websites de comércio eletrônico, nos quais somente são apresentados textos e imagens relacionados ao processo de fechamento da compra.
  9. Auxiliar usuários a reconhecer, diagnosticar e recuperar ações erradas – Neste princípio fica definido que, uma vez que um erro tenha ocorrido, é importante apresentar uma mensagem que indique claramente o problema, sugerindo como ele pode ser revertido e corrigido. O uso de linguagem clara, em português padrão é fundamental nesse caso.
  10. Ajuda e documentação – Segundo este princípio, usar um website é uma tarefa geralmente executada individualmente, sem auxilio de outras pessoas e sem guia de usuário para tirar dúvidas. Assim, é importante oferecer ajuda focada na tarefa do usuário, apresentando, de maneira compreensível, os passos a serem seguidos para sua execução.

Compreendidos os dez princípios que norteiam a avaliação heurística, passemos, então, aos procedimentos para a realização dessa avaliação:

Como realizar uma avaliação heurística

Pedir a um grupo de três a cinco especialistas para executar a avaliação

A quantidade suficiente de especialistas para encontrar grande número de problemas de usabilidade pode variar entre três a cinco. Esses avaliadores não devem ser usuários comuns, e sim profissionais com conhecimento em usabilidade, que tenham capacidade para dar pareceres confiáveis.

Pedir que os especialistas avaliem a interface individualmente.

A avaliação individual é importante, para evitar que a opinião de um especialista influencie as avaliações dos outros especialistas. Sendo assim, cada um deles deve inspecionar a interface,  observando cada elemento, a fim de analisar o design, posicionamento, implementação etc., sempre tendo como referência a lista com os dez princípios heurísticos que devem nortear a avaliação.

Obter o feedback dos avaliadores, por qualquer uma das três formas abaixo:

a)   relatório estruturado – o especialista monta um relatório, no qual são incluídas todas as suas anotações, constando os problemas encontrados. Para que seja um relatório bem estruturado, com dados aprofundados, a redação pode levar muito tempo.

b)   registro de verbalizações – nesse caso, uma outra pessoa deve tomar nota das falas dos especialistas, separadamente, durante a realização da avaliação. Uma alternativa é o uso de um gravador de áudio, para que não haja perda das informações. Esta forma de feedback permite o registro de problemas que poderiam ficar encobertos no caso do avaliador ter que tomar nota de tudo por si mesmo. Entretanto, o fato de ser uma captura de comentários não estruturados, exige um maior trabalho de análise. isso, a gravação poderá ser transcrita, para favorecer o acesso mais preciso às informações e esclarecimento de dúvidas com os especialistas, no caso de necessidade, o que também pode demandar um pouco mais de tempo.

c)    relatório categorizado – cada especialista recebe uma planilha com as categorias definidas, bastando que seja preenchida com os problemas encontrados. Apesar de ser mais fácil de analisar, este tipo de resposta pode deixar de lado alguns problemas, que outras formas de relatório mais detalhados poderiam registrar. De todo modo, todas as categorias que o projetista deseja avaliar serão contemplados.

Escalonar os erros

Após receber os relatórios, deve-se montar uma planilha contendo todos os problemas e pedir que os especialistas  atribuam níveis de gravidade dos erros em uma tabela, com a relação de todos os problemas encontrados, de acordo com a seguinte escala:

0 – Não é um problema de usabilidade.
1 – O problema é estético. Não necessita ser corrigido, a menos que haja tempo disponível.
2 – O Problema de usabilidade é menor. Há baixa prioridade para sua correção.
3 – O problema de usabilidade é maior. Deve haver alta prioridade para sua correção.
4 – Presença de catástrofe de usabilidade. A correção é urgente e necessária.

Durante a atribuição de valores da escala, de acordo com os níveis de gravidade, é importante que os avaliadores possam reexaminar o sistema que está sendo avaliado, para não se basearem somente na memória, na apresentação dos dados. Entretanto, isto pode tornar mais demorada esta etapa da avaliação.

Tabular os dados

Com base nos dados dos avaliadores, deverá ser feita a tabulação dos dados, para dimensionar os problemas maiores de usabilidade. Essa tabulação deve ser cuidadosa, pois dela resulta a lista de problemas ordenados por prioridade de correção, que vão dos mais urgentes aos de menor impacto para a usabilidade.

4 Comments

  • Frank

    11 jul 2011
    Reply

    Mas um ótimo artigo robson, todas as dúvidas estão sendo tiradas nesses artigos publicados.

  • Rafael Daron

    10 set 2011
    Reply

    Bacana!

    Alguma sugestão para melhorar esta avaliação?
    Avaliação Link: http://www.slideshare.net/rafaeldaron/avaliao-heurstica-site-ciss-em-abril-2001

    • Robson Santos

      10 Sep 2011

      Oi, Rafael. A avaliação no geral está correta. Somente fique atento para o fato de que, para chamar de avaliação heurística, deve ser realizada por 3 a 5 avaliadores, segundo os critérios descritos no texto acima.

      Podemos dizer que você realizou uma inspeção de interface.

      Paz!

  • Rafael Daron

    10 set 2011
    Reply

    Não sabia desta limitação do número de pessoas para realização da avaliação.
    Achei estranho quando li no seu texto.

    Obrigado pela dica. (=

Deixe um comentário

Posting your comment...

Subscribe to these comment via email
http://www.interfaceando.com/wp-content/themes/inkdrop